sexta-feira, 27 de julho de 2012


Câmeras compactas

Como escolher uma câmera compacta?


Câmeras compactas são aquelas que vemos a todos os momentos, são pequenas, leves, basta apertar o botão para bater a foto e o preço fica entre R$300,00 e R$1.200,00 geralmente. Elas são para quem:
-Quer uma camera fácil de carregar e usar.
-Não dispõe de muito dinheiro para investir em fotografia
-Quer boas fotos sem muitos ajustes.
-Não sabe sobre velocidade e abertura do diafragma, exposição.
-Quer uma câmera prática para o dia-a-dia.
O que devemos prestar atenção na hora de escolher nossa compacta:
1- Mais megapixels não significa câmera melhor. Só significa que as fotos ficam maiores, mais pesadas e necessitam de mais espaço para armazenar. Se você não pretende imprimir/revelar fotos ou se for faze-lo não passará de 20×30 uma de 10 Megapixels está mais do que ótimo.
2- As lentes trazem muita informação. Ao olhar para as lentes há diversos números, uns se parecem com 1:2.8 – 3.7que indicam luminosidade da lente (quanto menor melhor). E outros se parecem com 28mm ou 42 – 84mm que indicam a distância focal, ou seja, o ângulo de visão da lente. O olho humano tem uma distância focal de 50mm, o que estáabaixo disso é chamado de Grande Angular (próprios para paisagem) e as que distâncias focais acima de 50mm são chamadas de Teleobjetivas (próprias para detalhes). Então de acordo com suas preferências escolha a distância focal que mais lhe agradar.
3- Recusros que valem muito. Há alguns recuros que merecem nossa atenção, como fotografar em cores, Preto e Branco ou Sépia. Controle de cores e iluminação que diferenciem luz solar de lâmpada fluerescente e de lâmpada incandescente para não distorcer a cor (fotos amaleradas ou azuladas). Opção de fotografia em Macro, ou seja, focar objetos a 40 ou mesmo 25cm de distância (recurso muito interessante). Recurso que diferencie foto em velocidade, paisagem, retrato etc.
4- ISO. ISO é a sensibilidade do sensor à luz, ou seja, quanto maior o ISO menos luz é necessária para a foto, porém com um ISO muito grande (3200, 1600) pode haver granulação e perca de qualidade na foto. Uma camera que te permita controlar o ISO é uma boa opção (juntamente com as dicas acima).
5- Recursos extras que contam pontos. A batalha da industria de cameras digitais faz com que alguns modelos apresentem alguns extras bem interessantes, como cameras a prova de água (algumas chegam a resistir até 10m de profundidade), resistentes a quedas, poeira, choques mecanicos etc. Cheque também se a camera possui Mega OIS (também pode vir com o nome de Shake Reduction, IS, Anti-Shake etc) que é o recurso que evita as fotos de sairem tremidas ou borradas.
6- Zoom óptico X Zoom Digital. Esqueça o Zoom Digital, finja que ele nem existe. O único que conta é o Zoom óptico que é o zoom da lente, o zoom digital é um zoom que distorce a foto e estraga a imagem.
7- Alguns cartões de memória só servem para uma câmera. Por isso procure câmeras que usam cartões de memórias mais fáceis de encontrar e de intercâmbiar entre outras cameras. Por exemplo, o Micro-SD é muito bom, pois pode-se adapta-lo para mini-SD ou SD com adaptadores fáceis de encontrar e baratos, e servem para vários dispositivos como filmadoras, celulares, outras câmeras etc. MemoryStick é outra opção, menos usual que o SD mas ainda assim muito usual.
8- Baterias podem causar muitas dores de cabeça. Se você viajar muito, prefira câmeras com pilhas, pois assim você poderá ter algumas recarregaveis e algumas normais para caso esteja em algum lugar sem eletricidade. Se não for o caso, uma câmera com bateria interna recarregável por usb é uma ótima opção também, pois assim poderá recarregá-la no próprio computador ou por qualquer cabo USB comum.
9- Peso X Altura X Largura. Cheque também o peso da camera, as dimensões, mas cuidado, cameras finas demais podem não ter nenhum recurso, fique atento.
É mais ou menos isso, com essas dicas é possível escolher uma boa câmera que se adapte ao seu modo de viver e fotografar.

Dicas - I

10 dicas básicas na hora de fotografar



1- Faça-se a Luz!
Repare na iluminação do ambiente, tente perceber de onde vem a luz e onde ela é mais forte e onde há mais sombras. Também fique atento na fonte de luz do lugar (sol, lâmpada fluorescente, lâmpada incandescente etc). Em toda câmera há um ajuste para cada tipo de luz (white Balance), se ajustarmos errado a foto podera sair mais avermelhada ou mais azulada. Deixar no Auto geralmente resolve o caso, mas talvez tenhamos que ajustar.
2- Tudo em Quadro!
Sempre que olhamos pelo visor das câmeras vemos exatamente o que aparecerá na foto, então é uma boa idéia checar bem o que aparece em quadro, pra termos certeza que não cortaremos nenhuma cabeça, nenhum pé, e também para avaliarmos se todos os elementos em quadro estão em equilibrio (em uma foto mais artística).
3- Tripé ou na Mão!
Dependendo da cena que fotografamos, teremos que avaliar se dá para fotografar com a câmera na mão ou se é necessário fazer uso de um Tripé para estabilizar a câmera ou atingir mais fácilmente certos ângulos. Exemplo: Festa a noite, você tem uma câmera compacta que ajusta automaticamente a abertura e velocidade. É melhor ter um tripé para garantir as boas fotos. Outro exemplo: Você está fotografando objetos em cima de algum lugar ou fazendo fotos estilo “Book” (modelos). o Tripé pode te ajudar bastante, pois você pode travar a câmera em um ângulo, altura e enquadramento.
4- Se não há Luz, há Flash!
O flash pode resolver alguns problemas, mas também pode causar muitos outros. A escolha de usar ou não o flash só pode vir do fotógrafo. Onde o flash ajuda: festas; onde há pouca luz, nenhum tripé ou sem controle do ISO; para congelar certas imagens (se estiver muito escuro a única luz que entrará na câmera é a do flash. Onde o flash atrapalha: torna díficil tiriar fotos rápidas em sequência; pode causar olhos vermelhos; pode causar brilhos inesperados em certos objetos, estragando a imagem; pode causar superexposição; a longas distâncias não faz a menor diferença, pois o flash tem um limite de distância que ele ilumina.
5 – Olho no Olho!
Para uma fotografia básica de retratos é legal sempre posicionar a câmera na altura dos olhos da pessoa a ser fotografada, pois assim, quando olharmos para a foto parecerá que estamos olhando para a pessoa, a imagem ficará mais bonita e mais agradável.
6- Você é Livre!
Se encontrar uma boa cena para fotografar, não se contenha. Fotografe-a! Não deixe para lá só porque alguem entrou na sua frente, peça licença. Não tenha vergonha, agache-se, suba em bancos, procure o melhor ângulo para sua foto. A pior coisa para um fotógrafo é o arrependimento por não ter feito um clique que gostaria de fazer!
7- Na Frente e no Fundo!
Antes de bater a foto, repare nos objetos em quadro. Perceba o que está em primeiro plano e o que está em segudo plano. A profundidade é essencial e os elementos que a compõem são importantíssimos. Veja se tudo está em harmonia e equilibrio.
8- Tanto na Vertical quanto na Horizontal!
Certas cenas pedem a câmera na vertical, repare nas linhas da cena que irá fotografar. Exemplo: ao fotografar um caminho entre várias árvores, as árvores são linhas verticais predominantes na cena, então é boa idéia experimentar fazer essa foto na vertical. Outro exemplo: Fotografar o mar de um lugar alto, pegando o horizonte. As linhas do mar, do horizonte e das nuvens são horizontais, portanto essa foto ficará mais interessante na horizontal. Claro que nada impede o fotógrafo de inclinar a câmera ou procurar deiferentes posições, lembre-se da dica 6 “Você é Livre!”
9- P&B!
Fotos coloridas, muitas vezes, passam beleza, alegria, vida. Mas experimente tirar fotos em Preto e Branco. Qualquer câmera hoje em dia tem a opção de tirar fotos em preto e branco, descubra onde fica esse recurso na sua. As fotos em P&B (ou B&W, Black and White) tem peso e carga dramática muito grandes. Podem, literalmente, transformar sua imagem.
10- Teste e Estude!
Sair tirando fotos de qualquer coisa é um erro, não ajuda em nada e só torna o fotógrafo preguiçoso. Mas aproveite a facilidade das câmeras digitais de tirar e apagar fotos para fazer testes, pense nas dicas , escolha uma boa cena e tire diversas fotos dela, faça testes. Não clique por clicar, mas clique conscientemente pensando no resultado final. E pequenas coisas podem ser arrumadas com softwares de tratamento de imagens, eu recomendo o Gimp que é gratuito, leve e resolve a maioria dos problemas.

Fujifilm FinePix S2950




Máquina digital Fujifilm FinePix S2950 - Foto editada pelo Câmera versus Câmera Máquina digital Fujifilm FinePix S2950 - Foto editada pelo Câmera versus Câmera

Avaliação - Prós x Contras
B. C. Deiró (5 de junho de 2011)
A Fujifilm FinePix S2950 é praticamente igual à Fujifilm FinePix S2800HD e basta você ler o Review Express de uma delas para ficar por dentro de tudo que as duas têm. Câmeras de superzoom, são equipadas tanto com recursos avançados para quem deseja exercer os controles manuais da exposição, quanto comandos automáticos para os usuários que preferem deixar os ajustes por conta da câmera.
A única diferença significativa entre essas câmeras é que a Fujifilm S2950 possui funções para facilitar o compartilhamento das fotos. Outro detalhe: a Fujifilm S2800HD vem com alguns megapixels de espaço disponível para você testar a câmera assim que a tira do pacote, enquanto a Fuji S2950 é desprovida de memória interna.
Prós
  • Preço abaixo do valor de mercado para câmeras bridge
  • Sensor de 14 MP, possibilita fotos de até 28 x 38 com qualidade profissional de impressão
  • Lente de zoom óptico 18x e ângulo largo (28 mm) favorece todo tipo de composição
  • Grande monitor LCD de 3 polegadas e de boa qualidade (230.000 pontos)
  • Estreita aproximação do objeto na macrofotografia: 2 cm
  • Flash pop-up alcança 8 m segundo a Fuji, o que possibilita a cobertura de eventos noturnos
  • Grava vídeos HD; o zoom óptico deve ser aplicado antes da filmagem para evitar ruído sonoro. Limite de 2 GB por clipe (aprox. 8 min. nos HD), aceitável em câmeras de seu preço
  • A Fuji S2950 detecta faces, sorrisos, piscadas; reconhece e se adapta a diferentes tipos de cena, cria panorâmicas e seu sistema de foco segue objetos em movimento
  • Saída HDMI possibilita conexão com HDTV por meio de cabo (não incluso, como é o padrão)
  • Recursos que facilitam a seleção das fotos e seu envio para o YouTube ou Facebook
  • Destaques nesta faixa de preço, mas comuns em câmeras avançadas: estabilizador óptico, visorEVF, controle total da exposição, modos de prioridades da abertura e da velocidade, etc.
  • Tira aproximadamente 500 fotos por carga de baterias NiMH, segundo a Fujifilm
Contras
  • Não tira fotos menores de 3 MP nos formatos 4:3 e 3:2, nem menores de 2 MP no formato 16:9
  • Sem memória interna: lembre-se de comprar cartão ou não terá nem como testar a câmera
  • Recursos desejáveis em câmeras avançadas, ausentes na Fuji S2950 mas raros nesta faixa de preço: foco manual, sapata para flash externo, ajuste de dioptrias, produção de arquivos RAW


Configurações FinePix S2950





O modo A é o modo de prioridade de abertura de diafragma, você controlará apenas a abertura e a câmera escolherá o tempo de exposição para que a cena fique com medição de luz no meio.

O modo S é o de prioridade de tempo de exposição, nele você regula o tempo de exposição e a câmera compensa na abertura.

O modo P é um modo automático de controle da exposição onde você pode ainda controlara a sensibilidade da luz (ISO).

O modo M, é completamente manual, nele você realizará a medição da luz controlando a abertura e o tempo.

Você quer fotografar ônibus em movimento, tem duas coisas que você pode fazer:
1) Congelar o movimento do ônibus na rua. Nesse caso você deve usar um tempo de exposição pequeno o suficiente para que a velocidade do ônibus não deixe a imagem borrada.

2) Fazer um panning, deixar o ônibus nítido e a paisagem borrada. Nesse caso você deve usar um tempo de exposição maior, mas acompanhar o movimento do ônibus, lembrando de continuar acompanhando o movimento mesmo enquanto aciona o botão disparador.

sexta-feira, 2 de março de 2012

DICAS SOBRE CÂMERAS DIGITAIS

DICAS SOBRE CÂMERAS DIGITAIS


1) O que é um megapixel (MP).


Megapixel é a unidade de medida que indica 1 milhão de pixels. Assim, uma figura com 1000 pixel de altura e 1000 pixels de largura tem 1 megapixel (MP). Essa unidade é usada para definir a resolução de máquinas. Por exemplo, uma câmera digital de 3.2 megapixel tira fotos formadas por três milhões e duzentos mil pixels

2) Você quer aumentar a resolução da imagem?
É possível aumentar a resolução de imagens utilizando programas de computador. Porém, este recurso deve ser usado com cautela. Quando a resolução da imagem é aumentada, o computador “inventa” os pixels que faltaram na hora que a foto foi tirada. Portanto, há casos em que a imagem fica sem nitidez após o processo.

3) O que é compressão?

Compressão é o recurso de eliminar alguns pontos da imagem perdendo alguns detalhes. Com isso, o arquivo ficará menos “pesado”, ou seja, ocupará menos espaço na memória do seu computador ou máquina fotográfica. Algumas câmeras possuem este recurso de compressão para conseguir armazenar mais fotos. Porém, a compressão afeta a qualidade das mesmas. Uma solução é utilizar um cartão de memória.

4) Na hora de comprar uma câmera digital, siga algumas dicas:

Não existe muito segredo para comprar uma máquina fotográfica digital. É tão simples quanto adquirir uma convencional. Você precisa estar atento à qualidade das fotos que ela tira, se é do modelo que te agrada e se tem todos os recursos importantes para você. Além disso, você deve verificar alguns detalhes: - Resolução. A resolução está ligada à quantidade de pixels que a câmera captura. Quanto mais pixels ela tem, melhor resolução as fotografias terão. Portanto, de acordo com a utilização que as fotografias terão, a câmera precisará de mais ou menos resolução. - Complexidade. Antes de comprar a câmera faça um test-drive. Vejam quais são os recursos que ela possui, quais são os que você precisa. Confira se não é muito complicado manusear o instrumento e se a imagem é clara e nítida. - Cartão de memória. Atenção! Não são todas as câmeras que possuem entrada para cartão de memória. Com o cartão você poderá tirar quantas fotos quiser. Sem precisar desocupar espaço na memória da câmera. Portanto verifique se a máquina possui ou não entrada para cartão. - Bateria. As câmeras digitais consomem muita bateria. Por isso escolha uma câmera que tenha bateria recarregável e tenha sempre em mãos uma bateria de reserva. - O seu computador. Confira se a máquina é compatível com o sistema do seu computador. Não são todas as câmeras que funcionam em todos os sistemas. Além disso, confira os tipos de entradas do seu computador e da máquina.

5) Qual a diferença entre o zoom óptico e o zoom digital?

É importante entender qual a diferença entre os dois tipos de zoom porque eles proporcionam resultados distintos. Quando o zoom óptico é acionado existe uma lente que sai e entra na câmera, diminuindo e aumentando o campo de visão e fazendo o objeto parecer menor ou maior. Já no zoom digital não existem partes que se movem. O zoom é ajustado pelo próprio sistema da máquina, que analisa o objeto a ser focado e “corta” o que sobra ao redor. A diferença é que o zoom digital prejudica a qualidade da imagem porque ela “corta” seus pixels e diminui a resolução da imagem, enquanto o zoom óptico não afeta a resolução da fotografia. Se você for utilizar as imagens no seu computador ou para enviar para amigos, a perda de resolução não será notada. Mas se você precisa da máxima qualidade da imagem, o zoom óptico é a melhor solução.

6) Porque as pessoas saem com olhos vermelhos nas fotografias.

O efeito "olhos vermelhos", que ocorre em fotos, é o resultado da luz do flash que incide na pupila dos olhos, alcançando nas veias sangüíneas da retina dos olhos e é refletida. Para diminuir o efeito dos “olhos vermelhos”, o ambiente onde está a pessoa a ser fotografada deve estar o mais iluminado possível. Assim, as pupilas da pessoa irão contrair naturalmente dificultando a entrada da luz do flash. O recurso “redutor de olhos vermelhos” que algumas câmeras possuem dispara uma luz antes do flash com o mesmo objetivo de retrair as pupilas do fotografado. Outra dica é a pessoa a ser fotografada olhar diretamente para um objetivo luminoso instante antes de tirar a foto (a pupila irá fechar).

COMPACTAR SUAS FOTOS DIGITAIS

APRENDA A COMPACTAR SUAS FOTOS DIGITAIS ANTES DE ENVIÁ-LAS

Arquivos grandes sobrecarregam conexões de internet e entulham disco rígido. Confira dicas para fazer a redução no Windows, no Mac e também na web.

Ann Sakai usa uma câmera digital há oito anos, mas ainda precisa dominar a arte de dimensionar as fotos. Os arquivos deimagem exageradamente grandes que ela envia por e-mail para amigos e família extrapolam o limite de suas caixas de entrada.

“Muitas pessoas já reclamaram do tamanho”, disse Sakai, 51, pesquisadora farmacêutica em Cincinnati. Quando ela mandou uma foto de seus cachorros para o pai, ela disse, “a foto estava tão gigante que tudo o que ele podia ver era um pedaço do pêlo do animal”.

Como muitas pessoas que compartilham fotos, Sakai não sabe como diminui-las antes de enviá-las por e-mail. Os arquivos originais são tão grandes que podem se tornar difíceis de visualizar adequadamente em uma tela. Eles também sobrecarregam conexões de internet e entulham o disco rígido.



O redimensionamento de imagens é uma habilidade simples que vale a pena aprender à medida que mais e mais fotos são trocadas através da internet. Quando configurada para a maior resolução, câmeras digitais padrão capturam imagens em tamanhos de arquivo de aproximadamente 3 MB. Tente anexar alguns desses pequenos gigantes a uma mensagem de e-mail e você pode perder amigos rapidamente (sua família, apesar disso, provavelmente ainda vai continuar com você).
Tamanho

Algumas ferramentas para redimensionar fotos estão incluídas em sistemas operacionais de computadores Windows ou Mac. Outras estão em softwares comoAdobe Photoshop Elements e serviços on-line gratuitos de compartilhamento de fotos.

Mas, primeiramente, é importante entender alguns conceitos básicos que irão surgir à medida que você redimensiona fotografias. Câmeras digitais, por padrão, salvam imagens como arquivos JPEG. Esse também é o padrão para imagens na internet. Quando for mandar uma foto por e-mail ou publicá-la, procure um arquivo JPEG cujo tamanho varie entre 50 KB e 100 KB. Isso vai garantir que o download e o upload das imagens sejam rápidos.

Ao redimensionar fotos, sempre salve a imagem redimensionada como uma cópia, ou use outro nome de arquivo, para não substituir o original. Se quiser imprimir fotos depois, você terá resultados muito melhores com esses arquivos de alta resolução.
Redimensionar

Quem usa programas complementares de edição de fotos como o Photoshop Elements vai encontrar alguns outros termos: Constrain Proportions e Resample. A opção de “Constrain Proportions” evita que uma foto fique esticada e distorcida com o redimensionamento. A opção “Resample” permite que o software recalcule e modifique as dimensões de pixels.

Para redimensionar uma imagem no Photoshop Elements, abra a foto e clique em “Image”, depois em “Image size”. Após assegurar que “Constrain Proportions” e “Resample Image” estejam selecionados, mude a resolução para 72, então insira um valor na caixa do tamanho pixel-dimensão -- o outro valor será automaticamente ajustado. Por exemplo, insira uma largura de 800 pixels para redimensionar uma foto de 3MB para um tamanho de aproximadamente 100 KB. Para diminuí-la, clique em “Save”, então mova a barra de deslocamento “Quality” em direção a “Smaller File”.

Se você não tem um software independente de edição de imagens, não se preocupe. Você pode redimensionar as fotos usando programas que vieram com seu computador.
Windows

No Windows Vista, ao clicar duas vezes na foto, o Windows Photo Gallery será aberto, a não ser que você especifique o contrário. Um jeito fácil de redimensionar uma foto é enviá-la por e-mail usando o Photo Gallery. Abra uma foto e clique no ícone de e-mail, e o programa irá oferecer quatro opções de redimensionamento, assim como a escolha de mantê-la no tamanho original. O Windows usa descrições genéricas como “pequena” para indicar resoluções (600 x 400 pixels, por exemplo) e uma estimativa do tamanho da foto. Uma foto de 3 MB redimensionada para “pequena” produz um arquivo de aproximadamente 75 KB.

Quando você clica em “Anexar”, o programa abre seu programa de e-mail e adiciona a imagem à mensagem.

Como alternativa, você pode clicar com o botão direito do mouse em um arquivo de foto, selecionar “Enviar para”, depois “Destinatário”. O software irá criar uma nova mensagem de e-mail e anexar a foto. Para compartilhar várias imagens, pressione a tecla Shift enquanto as seleciona.

O Vista inclui uma opção engenhosa do Windows Photo Gallery que permite juntar fotos rapidamente para fazer um filme. Para fazer isso, clique em “Fazer um filme”, adicione algumas imagens, depois selecione “Publicar filme” e “Enviar por e-mail”. As fotos serão salvas como um arquivo de filme e anexadas a uma nova mensagem de e-mail. Adicione música e títulos se quiser, mas se não quiser todo esse estardalhaço, você pode exibir umas dez fotos usando o Movie Maker em menos de um minuto.

Windows XP também tem o truque do clique com o botão direito, mas é um pouco mesquinho em relação às opções, só oferece três tamanhos. Um download gratuito da Microsoft oferece mais flexibilidade. As ofertas de plug-in oferecem quatro opções de tamanho, e também permitem inserir dimensões de pixels para altura e largura. No entanto, não existe uma opção para limitar proporções, o que significa que você precisa ter cuidado ao inserir as dimensões, para evitar distorções.

O único problema é que todos esses métodos funcionam somente com Outlook, Outlook Express e Windows Mail. Se você usa e-mail através de navegador, como o Yahoo Mail ou Gmail, fazer o upload e anexar fotos exigem alguns passos extras.

Resolução

O QUE É RESOLUÇÃO?

Ao trabalharmos com fotografias (imagens) é muito importante sabermos o que significa resolução da imagem. Se você não souber e entender isso definitivamente com certeza terá grandes prejuízos na frente.

Quando uma fotografia é digitalizada por um método inadequado ou por algum equipamento de péssima qualidade, as cores saem péssimas, aparecem serrilhas ou borrados e os arquivos podem ficar extremamente grandes.
Para evitar estes problemas use scanners profissionais com alta resolução.
Existem scanners planos ou de filmes. Os scanners planos são mais usados para o escaneamento de cópias de papel ou seja o tradicional que todos usam. Já os de filme são apropriados para negativos e positivos coloridos e preto e branco de 35 mm.

"O correto seria usarmos os de filme. Pois podemos captar uma gama de cores e detalhes superior aos convencionais."

Caso você tenha uma câmera digital de boa qualidade tudo fica mais fácil. Apenas não se esqueça de configurar para tirar as fotos na resolução máxima.
Resolução de imagem

Mas o que é resolução? 

Resolução é a quantidade de pixels por unidade de comprimento impresso em uma imagem, que normalmente é medido em pixels por polegada, ou como é mais conhecido: DPI “Dots Per Inch”.

Bom, toda imagem é formada por pontos minúsculos, chamados de pixels. Ou seja quanto mais pontos tiverem a imagem, maior será a qualidade dela. Menor resolução de captura digital é de 72 DPI.
Consideramos boa resolução quando ela possui 300 DPI´s, ou seja 300 pontos por polegada.
Quando você imprime uma imagem de baixa resolução 72 DPI´s, ela fica cheia de pixels (quadradinhos) ou serrilhada e sem nitidez.
Para quem é fotógrafo, jornalista ou trabalha como (Designer) freelancer restaurando fotos, tem que trabalhar com no mínimo 300DPI´s

OBS: Não adianta você ter um arquivo de 300DPI´s com 5 cm e querer imprimir ele no tamanho de 20x25 cm. Se fizer isso pode acontecer de perde a qualidade.
Se você tem um arquivo de 15 centímetros com 300 DPI´s o ideal é imprimir do mesmo tamanho ou menor, pois assim não perderá a qualidade.
Aumentar a resolução da imagem e diminuir o tamanho do arquivo funciona normalmente, mas aumentar a resolução e manter o tamanho do arquivo estoura a imagem totalmente.