sexta-feira, 27 de julho de 2012


Câmeras compactas

Como escolher uma câmera compacta?


Câmeras compactas são aquelas que vemos a todos os momentos, são pequenas, leves, basta apertar o botão para bater a foto e o preço fica entre R$300,00 e R$1.200,00 geralmente. Elas são para quem:
-Quer uma camera fácil de carregar e usar.
-Não dispõe de muito dinheiro para investir em fotografia
-Quer boas fotos sem muitos ajustes.
-Não sabe sobre velocidade e abertura do diafragma, exposição.
-Quer uma câmera prática para o dia-a-dia.
O que devemos prestar atenção na hora de escolher nossa compacta:
1- Mais megapixels não significa câmera melhor. Só significa que as fotos ficam maiores, mais pesadas e necessitam de mais espaço para armazenar. Se você não pretende imprimir/revelar fotos ou se for faze-lo não passará de 20×30 uma de 10 Megapixels está mais do que ótimo.
2- As lentes trazem muita informação. Ao olhar para as lentes há diversos números, uns se parecem com 1:2.8 – 3.7que indicam luminosidade da lente (quanto menor melhor). E outros se parecem com 28mm ou 42 – 84mm que indicam a distância focal, ou seja, o ângulo de visão da lente. O olho humano tem uma distância focal de 50mm, o que estáabaixo disso é chamado de Grande Angular (próprios para paisagem) e as que distâncias focais acima de 50mm são chamadas de Teleobjetivas (próprias para detalhes). Então de acordo com suas preferências escolha a distância focal que mais lhe agradar.
3- Recusros que valem muito. Há alguns recuros que merecem nossa atenção, como fotografar em cores, Preto e Branco ou Sépia. Controle de cores e iluminação que diferenciem luz solar de lâmpada fluerescente e de lâmpada incandescente para não distorcer a cor (fotos amaleradas ou azuladas). Opção de fotografia em Macro, ou seja, focar objetos a 40 ou mesmo 25cm de distância (recurso muito interessante). Recurso que diferencie foto em velocidade, paisagem, retrato etc.
4- ISO. ISO é a sensibilidade do sensor à luz, ou seja, quanto maior o ISO menos luz é necessária para a foto, porém com um ISO muito grande (3200, 1600) pode haver granulação e perca de qualidade na foto. Uma camera que te permita controlar o ISO é uma boa opção (juntamente com as dicas acima).
5- Recursos extras que contam pontos. A batalha da industria de cameras digitais faz com que alguns modelos apresentem alguns extras bem interessantes, como cameras a prova de água (algumas chegam a resistir até 10m de profundidade), resistentes a quedas, poeira, choques mecanicos etc. Cheque também se a camera possui Mega OIS (também pode vir com o nome de Shake Reduction, IS, Anti-Shake etc) que é o recurso que evita as fotos de sairem tremidas ou borradas.
6- Zoom óptico X Zoom Digital. Esqueça o Zoom Digital, finja que ele nem existe. O único que conta é o Zoom óptico que é o zoom da lente, o zoom digital é um zoom que distorce a foto e estraga a imagem.
7- Alguns cartões de memória só servem para uma câmera. Por isso procure câmeras que usam cartões de memórias mais fáceis de encontrar e de intercâmbiar entre outras cameras. Por exemplo, o Micro-SD é muito bom, pois pode-se adapta-lo para mini-SD ou SD com adaptadores fáceis de encontrar e baratos, e servem para vários dispositivos como filmadoras, celulares, outras câmeras etc. MemoryStick é outra opção, menos usual que o SD mas ainda assim muito usual.
8- Baterias podem causar muitas dores de cabeça. Se você viajar muito, prefira câmeras com pilhas, pois assim você poderá ter algumas recarregaveis e algumas normais para caso esteja em algum lugar sem eletricidade. Se não for o caso, uma câmera com bateria interna recarregável por usb é uma ótima opção também, pois assim poderá recarregá-la no próprio computador ou por qualquer cabo USB comum.
9- Peso X Altura X Largura. Cheque também o peso da camera, as dimensões, mas cuidado, cameras finas demais podem não ter nenhum recurso, fique atento.
É mais ou menos isso, com essas dicas é possível escolher uma boa câmera que se adapte ao seu modo de viver e fotografar.

Dicas - I

10 dicas básicas na hora de fotografar



1- Faça-se a Luz!
Repare na iluminação do ambiente, tente perceber de onde vem a luz e onde ela é mais forte e onde há mais sombras. Também fique atento na fonte de luz do lugar (sol, lâmpada fluorescente, lâmpada incandescente etc). Em toda câmera há um ajuste para cada tipo de luz (white Balance), se ajustarmos errado a foto podera sair mais avermelhada ou mais azulada. Deixar no Auto geralmente resolve o caso, mas talvez tenhamos que ajustar.
2- Tudo em Quadro!
Sempre que olhamos pelo visor das câmeras vemos exatamente o que aparecerá na foto, então é uma boa idéia checar bem o que aparece em quadro, pra termos certeza que não cortaremos nenhuma cabeça, nenhum pé, e também para avaliarmos se todos os elementos em quadro estão em equilibrio (em uma foto mais artística).
3- Tripé ou na Mão!
Dependendo da cena que fotografamos, teremos que avaliar se dá para fotografar com a câmera na mão ou se é necessário fazer uso de um Tripé para estabilizar a câmera ou atingir mais fácilmente certos ângulos. Exemplo: Festa a noite, você tem uma câmera compacta que ajusta automaticamente a abertura e velocidade. É melhor ter um tripé para garantir as boas fotos. Outro exemplo: Você está fotografando objetos em cima de algum lugar ou fazendo fotos estilo “Book” (modelos). o Tripé pode te ajudar bastante, pois você pode travar a câmera em um ângulo, altura e enquadramento.
4- Se não há Luz, há Flash!
O flash pode resolver alguns problemas, mas também pode causar muitos outros. A escolha de usar ou não o flash só pode vir do fotógrafo. Onde o flash ajuda: festas; onde há pouca luz, nenhum tripé ou sem controle do ISO; para congelar certas imagens (se estiver muito escuro a única luz que entrará na câmera é a do flash. Onde o flash atrapalha: torna díficil tiriar fotos rápidas em sequência; pode causar olhos vermelhos; pode causar brilhos inesperados em certos objetos, estragando a imagem; pode causar superexposição; a longas distâncias não faz a menor diferença, pois o flash tem um limite de distância que ele ilumina.
5 – Olho no Olho!
Para uma fotografia básica de retratos é legal sempre posicionar a câmera na altura dos olhos da pessoa a ser fotografada, pois assim, quando olharmos para a foto parecerá que estamos olhando para a pessoa, a imagem ficará mais bonita e mais agradável.
6- Você é Livre!
Se encontrar uma boa cena para fotografar, não se contenha. Fotografe-a! Não deixe para lá só porque alguem entrou na sua frente, peça licença. Não tenha vergonha, agache-se, suba em bancos, procure o melhor ângulo para sua foto. A pior coisa para um fotógrafo é o arrependimento por não ter feito um clique que gostaria de fazer!
7- Na Frente e no Fundo!
Antes de bater a foto, repare nos objetos em quadro. Perceba o que está em primeiro plano e o que está em segudo plano. A profundidade é essencial e os elementos que a compõem são importantíssimos. Veja se tudo está em harmonia e equilibrio.
8- Tanto na Vertical quanto na Horizontal!
Certas cenas pedem a câmera na vertical, repare nas linhas da cena que irá fotografar. Exemplo: ao fotografar um caminho entre várias árvores, as árvores são linhas verticais predominantes na cena, então é boa idéia experimentar fazer essa foto na vertical. Outro exemplo: Fotografar o mar de um lugar alto, pegando o horizonte. As linhas do mar, do horizonte e das nuvens são horizontais, portanto essa foto ficará mais interessante na horizontal. Claro que nada impede o fotógrafo de inclinar a câmera ou procurar deiferentes posições, lembre-se da dica 6 “Você é Livre!”
9- P&B!
Fotos coloridas, muitas vezes, passam beleza, alegria, vida. Mas experimente tirar fotos em Preto e Branco. Qualquer câmera hoje em dia tem a opção de tirar fotos em preto e branco, descubra onde fica esse recurso na sua. As fotos em P&B (ou B&W, Black and White) tem peso e carga dramática muito grandes. Podem, literalmente, transformar sua imagem.
10- Teste e Estude!
Sair tirando fotos de qualquer coisa é um erro, não ajuda em nada e só torna o fotógrafo preguiçoso. Mas aproveite a facilidade das câmeras digitais de tirar e apagar fotos para fazer testes, pense nas dicas , escolha uma boa cena e tire diversas fotos dela, faça testes. Não clique por clicar, mas clique conscientemente pensando no resultado final. E pequenas coisas podem ser arrumadas com softwares de tratamento de imagens, eu recomendo o Gimp que é gratuito, leve e resolve a maioria dos problemas.

Fujifilm FinePix S2950




Máquina digital Fujifilm FinePix S2950 - Foto editada pelo Câmera versus Câmera Máquina digital Fujifilm FinePix S2950 - Foto editada pelo Câmera versus Câmera

Avaliação - Prós x Contras
B. C. Deiró (5 de junho de 2011)
A Fujifilm FinePix S2950 é praticamente igual à Fujifilm FinePix S2800HD e basta você ler o Review Express de uma delas para ficar por dentro de tudo que as duas têm. Câmeras de superzoom, são equipadas tanto com recursos avançados para quem deseja exercer os controles manuais da exposição, quanto comandos automáticos para os usuários que preferem deixar os ajustes por conta da câmera.
A única diferença significativa entre essas câmeras é que a Fujifilm S2950 possui funções para facilitar o compartilhamento das fotos. Outro detalhe: a Fujifilm S2800HD vem com alguns megapixels de espaço disponível para você testar a câmera assim que a tira do pacote, enquanto a Fuji S2950 é desprovida de memória interna.
Prós
  • Preço abaixo do valor de mercado para câmeras bridge
  • Sensor de 14 MP, possibilita fotos de até 28 x 38 com qualidade profissional de impressão
  • Lente de zoom óptico 18x e ângulo largo (28 mm) favorece todo tipo de composição
  • Grande monitor LCD de 3 polegadas e de boa qualidade (230.000 pontos)
  • Estreita aproximação do objeto na macrofotografia: 2 cm
  • Flash pop-up alcança 8 m segundo a Fuji, o que possibilita a cobertura de eventos noturnos
  • Grava vídeos HD; o zoom óptico deve ser aplicado antes da filmagem para evitar ruído sonoro. Limite de 2 GB por clipe (aprox. 8 min. nos HD), aceitável em câmeras de seu preço
  • A Fuji S2950 detecta faces, sorrisos, piscadas; reconhece e se adapta a diferentes tipos de cena, cria panorâmicas e seu sistema de foco segue objetos em movimento
  • Saída HDMI possibilita conexão com HDTV por meio de cabo (não incluso, como é o padrão)
  • Recursos que facilitam a seleção das fotos e seu envio para o YouTube ou Facebook
  • Destaques nesta faixa de preço, mas comuns em câmeras avançadas: estabilizador óptico, visorEVF, controle total da exposição, modos de prioridades da abertura e da velocidade, etc.
  • Tira aproximadamente 500 fotos por carga de baterias NiMH, segundo a Fujifilm
Contras
  • Não tira fotos menores de 3 MP nos formatos 4:3 e 3:2, nem menores de 2 MP no formato 16:9
  • Sem memória interna: lembre-se de comprar cartão ou não terá nem como testar a câmera
  • Recursos desejáveis em câmeras avançadas, ausentes na Fuji S2950 mas raros nesta faixa de preço: foco manual, sapata para flash externo, ajuste de dioptrias, produção de arquivos RAW


Configurações FinePix S2950





O modo A é o modo de prioridade de abertura de diafragma, você controlará apenas a abertura e a câmera escolherá o tempo de exposição para que a cena fique com medição de luz no meio.

O modo S é o de prioridade de tempo de exposição, nele você regula o tempo de exposição e a câmera compensa na abertura.

O modo P é um modo automático de controle da exposição onde você pode ainda controlara a sensibilidade da luz (ISO).

O modo M, é completamente manual, nele você realizará a medição da luz controlando a abertura e o tempo.

Você quer fotografar ônibus em movimento, tem duas coisas que você pode fazer:
1) Congelar o movimento do ônibus na rua. Nesse caso você deve usar um tempo de exposição pequeno o suficiente para que a velocidade do ônibus não deixe a imagem borrada.

2) Fazer um panning, deixar o ônibus nítido e a paisagem borrada. Nesse caso você deve usar um tempo de exposição maior, mas acompanhar o movimento do ônibus, lembrando de continuar acompanhando o movimento mesmo enquanto aciona o botão disparador.